Mensagens para alimentar o seu espírito!

Amigos, diariamento vou procurar postar alguma mensagem de Jesus para o seu dia ser melhor. Vou publicar o estudo de escatologia que fiz para a nossa igreja, além de mostrar os movimentos da Nova Ordem Mundial a todos. Que Deus possa estar em suas vidas a cada dia!
Amigos, visitem o meu canal no Youtube: http://www.youtube.com/user/linotche13

Loading...

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Missões, comece pela Babilônia!


O que dizer de quatro jovens tementes a Deus, obedientes à Palavra, inteligentes, com boa aparência e bons serviços prestados para a família, para a Igreja e para a sociedade? De repente, porém, esses jovens são tirados do meio do seu povo e levados para um lugar onde tudo é diferente: a comida, os costumes, as roupas, a religião, a fé, o modo de pensar, os valores, a vida. Talvez você diga: “Que pena! Vou orar por eles, para que Deus mude essa situação”.

Mas, se você descobrisse que tudo o que aconteceu com eles é um grande e lindo propósito de Deus, que faria? Mudaria a sua oração? Saiba que foi exatamente isso que aconteceu com Daniel e seus três amigos: Hananias, Misael e Azarias. (Dn 1.3,6). Foram levados juntamente com milhares de cativos de Judá, para o exílio na Babilônia. Lá estavam eles: quatro jovens que atravessariam séculos na história, para, até hoje, serem mencionados como exemplo de fé e de obediência. Deus usou esses jovens para fazer diferença numa terra pagã, idólatra e contaminada pelo pecado. Eles enfrentaram uma sociedade mundana e pecaminosa. Esses jovens foram fortemente tentados a comer comida proibida pela palavra de Deus, mas, não se deixando vencer pelos olhos, evitaram o manjar que era sacrificado a ídolos.

Por essa atitude de obediência e fé, passaram por muitas provações: foram invejados, perseguidos, mas não perderam a postura de homens de Deus; tiveram os seus nomes mudados, mas não mudaram seus corações; foram lançados na fornalha aquecida sete vezes mais do que o normal, mas foram incrivelmente salvos pelo Senhor! Nenhum fio de seus cabelos foi danificado, pois tinham compromisso com Deus e com sua palavra.

É relativamente fácil ser crente em “Israel”, ou seja, dentro da igreja local, onde os irmãos têm a mesma fé. Porém, é na “Babilônia”, isto é, fora da cultura nativa, que provamos nosso compromisso com Deus. A fé é provada verdadeiramente diante das “estátuas de Nabucodonosor”, diante da “fornalha ardente”, diante do “manjar do rei” e “na cova dos leões”.

É nesse ambiente hostil ao evangelho que podemos provar se somos verdadeiros naquilo que pregamos. Praticar missões é, também, levar Cristo para aqueles que estão na “Babilônia espiritual”. Deus quer usar você lá: no seu ambiente de trabalho, no seu bairro, no meio de seus familiares descrentes.

Deus poderá até mudar você de lugar, ou, quem sabe, de país; o importante é ir. Se você se colocar à disposição do Senhor, poderá até ser lançado na “fornalha”, mas ela não queimará você; poderá até ser lançado na “cova”, mas os leões não ferirão você. Deus guarda a todos aqueles que fazem a sua vontade:

“Quando você passar pelo fogo, não se queimará; quando pelas águas, elas não o submergiram”, diz o Senhor.

Seja um missionário!

Você reparou na proporção? Quantos foram cativos para a Babilônia? Não foi a nação de Judá, as principais lideranças, os sábios? Mas de todo esse povo apenas quatro jovens não barganharam sua fé, não foram "flexiveis", não adaptaram sua "teologia" e idealogia, mas, deram maior valor a obediência, aos principios bíblicos, do que as suas proprias vidas, tanto que disseram: Se o nosso Deus, a quem servimos, quer livrar-nos, ele nos livrará da fornalha de fogo ardente e das tuas mãos, ó rei. Se não, fica sabendo, ó rei, que não serviremos a teus deuses, nem adoraremos a imagem de ouro que levantaste. (Dn 3:17-18)

Onde eu e você estamos? Ao lado de qual grupo? Dos que dobraram seus joelhos diante da estátua do rei da Babilônia, para preservar a vida aqui na terra, ou do lado dos quatro jovens, fiéis e sem medo algum, pois tinham pleno conhecimento da vontadde soberana de Deus e confiavam em Sua fidelidade? Não importava para eles se Deus iria ou não salva-los, o que importava era manter-se obediente e não se dobrar diante das "novidades", das "aberrações", e "influências pagãs".

Ao invés de serem influenciados eles, influenciaram! Tanto é que o próprio rei glorificou o nome de Deus após o Senhor livrá-los do fogo da fornalha.
Falou Nabucodonosor e disse: Bendito seja o Deus de Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, que enviou o seu anjo e livrou os seus servos, que confiaram nele, pois não quiseram cumprir a palavra do rei, preferindo entregar o seu corpo, a servirem e adorarem a qualquer outro deus, senão ao seu Deus. (Dn 3:28)
Lembre-se das palavras de Jesus: "Vós sereis minhas testemunhas" - Isso quer dizer literalmente: Mesmo que isto lhes traga a morte falem de meu evangelho!
***
Como o Senhor disse a Ezequiel, no cap.3, versículo 16 em diante, sejamos Atalaias de Israel, de Jesus, mostrando a todo irmão que está perdido no mundo que Jesus nos ama e que está de braços abertos para nos receber.
Fonte: Sou da Promessa comentário adicional PC@maral

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Mensagem para os Evangélicos

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

O Caminho da Salvação


Afinal, o que significa ser salvo? Tanto aqueles que já ouviram sobre a necessidade da salvação quanto aqueles que vêm acompanhando nosso texto provavelmente estão fazendo esta mesma pergunta.
Infelizmente, por problemas de tradução, os conceitos de "salvação" e "vida" acabaram se misturando. Se formos ser puristas, o correto não seria dizer "sou salvo" e sim "fui salvo, e agora vivo."
Existem duas palavras aramaicas que o texto grego traduz indiscriminadamente como "salvação". As duas palavras são "purkana" e "chaye". As idéias de cada uma delas são diferentes.

Purkana: A Separação

que significa", ..."Purkana" significa "livramento". O termo vem da raíz " cortar, ou separar-se. Esse termo aparece em Daniel 4:27, onde é dito:
"Portanto, ó rei, aceita o meu conselho, e põe fim [ou "corta", ou ainda "separa-te” deles] aos teus pecados, praticando a justiça, e às tuas iniqüidades, usando de misericórdia com os pobres, pois, talvez se prolongue a tua tranqüilidade."
" como "break off" (separa-te, no ...A versão King James, no inglês, traduz "sentido de arrancar.)

Este é o termo que aparece em passagens como:
"E nos levantou uma salvação [purkana] poderosa Na casa de David seu servo." (Lucas 1:69)

"Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção [purkana] que há no Mashiach Yeshua." (Ruhomayah/Romanos 3:24)

"Em quem temos a redenção [purkana] pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça." (Efessayah/Efésios 1:7)

"Tomai também o capacete da salvação [purkana], e a espada da Ruach, que é a Palavra de Elohim;" (Efessayah/Efésios 6:17)

Purkana significa "separação". Portanto, a primeira idéia associada com a salvação é uma idéia de "separação". Mas então, do que é que o Mashiach Yeshua nos separa?

Vejamos o que dizem as Escrituras:

"Porque a mulher casada, pela Torá, está ligada a seu marido enquanto ele viver; mas, se ele morrer, ela está livre do marido pela Torá." (Ruhomayah/Romanos 7:2)
A outorga da Torá sempre foi vista pelo Judaísmo como um ato de casamento entre o Eterno e o povo de Israel. O rabino Ephraim Nisenbaum assim explica:
"O Talmud descreve Shavuot, o dia que marca a outorga da Torá, como o dia de casamento entre o TodoPoderoso e o povo judeu. A nação de pé aos pés do monte Sinai representa o casal de pé sob a chupá..."
O casamento dentro da cultura israelita possuía um esposo, uma esposa, e um contrato de casamento entre ambos, denominado de ketubá. A Torá é como uma ketubá, um contrato de casamento, entre Elohim e o Seu povo.
O problema é que o livre arbítrio permitia que o homem desposasse ao Eterno, unindo-se a Ele pela obediência, ou desposasse o pecado e a morte, unindo-se a esse. Isto fica bem claro no texto de Devarim (Deuteronômio) 30, mencionado anteriormente. Não é difícil então entendermos do que é que Yeshua veio nos separar: Ele veio nos separar do pecado!

Chaye: A Vida

Uma vez que estamos separados do pecado, analisemos a outra palavra que o grego traduz como salvação, que representa exatamente a segunda parte da missão de Yeshua. O termo aramaico "chaye" aparece na esmagadora maioria das passagens em que "..que o grego traz o termo "salvação". Na realidade, "chaye" vem daríz " significa "viver". "Chaye" significa literalmente "vida", "estar vivo" ou "ter vida".

Algumas passagens onde o termo aparece:

"E toda a carne verá a salvação [chaye] de Elohim." (Lucas 3:6)
"Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação [chaye] vem dos judeus." (Yochanan/João 4:22)
"Porque o Senhor assim nolo mandou: Eu te pus para luz das nações, a fim de que sejas para salvação [chaye] até os confins da terra." (Ma'assei haSh'lichim/Atos 13:47)
"Porque a tristeza segundo Elohim opera arrependimento para a salvação [chaye], da qual ninguém se arrepende; mas a tristeza do mundo opera a morte." (Curintayah Beit/2 Coríntios 7:10)

Em todas as passagens acima, assim como na maioria dos locais onde o termo salvação aparece, a palavra "vida" é melhor empregada. Isso nos revela o segundo aspecto da salvação: Uma vez que estamos livres do nosso esposo anterior, o pecado (a transgressão à Torá), podemos nos unir matrimonialmente a YHWH mais uma vez. E, ao fazer tal coisa, nos unimos à vida!

"Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Elohim é a vida eterna, pelo Mashiach Yeshua nosso Senhor." (Ruhomayah/Romanos 6:23)
A transgressão leva à morte. Yeshua morreu por nós, pagando o preço da nossa transgressão:
"Pois foi necessário [a Ele] desde o início da criação do mundo sofrer muitas vezes; E eis que na consumação dos séculos, Ele apareceu uma vez, para sacrificar a Si mesmo, um sacrifício para a expiação pela iniqüidade." (Ivrim/Hebreus 9:26)

Ao fazer essa expiação, Yeshua nos conduz novamente à vida: ao estado de reunião com Ele que tínhamos antes de pecar. Lembremo-nos de que já vimos que o pecado é a transgressão à Torá. Sha'ul (Paulo) nos adverte para o fato de que a graça recebida de Elohim para que voltássemos a viver não deveria ser pretexto para voltarmos a uma vida de rebeldia contra Ele:

"Que diremos pois? Permaneceremos no pecado, para que a graça abunde? De modo nenhum. Nós, que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele?" (Ruhomayah/Romanos 6:12)

A certeza que temos da nossa salvação em Yeshua significa sabermos que, quando falhamos, temos Alguém que tomou sobre si as nossas transgressões. Todavia, devemos voltar a praticar uma vida de santidade perante a Torá:

"Mas agora, libertados do pecado, e feitos servos de Elohim, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna." (Ruhomayah/Romanos 6:22)

Existem nas Escrituras advertências muito sérias contra aqueles que se valem da graça salvífica para dizerem que não mais precisam viver uma vida de obediência aos mandamentos de Elohim:

"E aconteça que, alguém ouvindo as palavras desta maldição, se abençoe no seu coração, dizendo: Terei paz, ainda que ande conforme o parecer do meu coração; para acrescentar à sede a bebedeira. YHWH não lhe quererá perdoar; mas fumegará a ira de YHWH e o seu zelo contra esse homem, e toda a maldição escrita neste livro pousará sobre ele; e YHWH apagará o seu nome de debaixo do céu." (Devarim/Deuteronômio 29:1920)

"Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo, pelo conhecimento do Senhor e Salvador Yeshua HaMashiach, forem outra vez envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior do que o primeiro. Porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se da santa mitsvá [mandamento] que lhes fora dada; Deste modo sobreveio-lhes o que por um verdadeiro provérbio se diz: O cão voltou ao seu próprio vômito, e a porca lavada ao espojadouro de lama." (Kefa Beit/2 Pedro 2:2022)

Antes que alguém se apavore com essa perspectiva, convém dizer que a Bíblia deixa claro que está se referindo ao homem que se apresenta de forma rebelde. Não se trata apenas de pecar. Trata-se de pecar deliberadamente por achar que não precisa mais obedecer a Elohim. Em suma, o homem não deve brincar com Elohim. O sacrifício de Yeshua foi demasiado precioso. Elohim pagou um preço altíssimo para nos libertar. Não devemos fazer desse preço uma justificativa para continuarmos a ignorar os seus mandamentos. Se fomos separados do pecado, mas voltamos deliberadamente a
nos unirmos a ele por rebeldia, então não temos a vida, que é o segundo aspecto da salvação de Yeshua.

Yeshuá

Existe um terceiro aspecto da salvação que aparece no Sefer Matitiyahu (Livro de Mateus), quando o anjo de YHWH informa a Yossef (José) o nome do Mashiach:

"Ela dará à luz um filho, e ela o chamará Yeshua; porque ele salvará o seu povo de todos os seus pecados." (Matitiyahu/Mateus 1:22)
Existe aqui um jogo de palavras. O nome "Yeshua" (que significa "livramento".), .....de "yeshuá" é a forma masculina, assim sendo, Yeshua é aquele que nos livra. Mas nos livra de quê?

a) Do pecado, pois o homem escravizou a criação sob o jugo do pecado: "Na esperança de que também a mesma criatura será libertada da servidão da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Elohim." (Ruhomayah/Romanos 8:21)

b) Da ira vindoura, pois toda ação pecaminosa será julgada:

"Logo muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira." (Ruhomayah/Romanos 5:9)
Assim sendo, existe um duplo aspecto de livramento: somos livrados da escravidão do pecado, e também da ira vindoura, que nada mais é do que a consequência do pecado.

Gueulá

Veremos agora o último aspecto da salvação. A profecia de Yeshayahu (Isaías) nos diz:

"Não temas, tu verme de Ya'akov, povozinho de Israel; eu te ajudo, diz YHWH, e o teu Redentor [go'el] é o Santo de Israel." (Yeshayahu/Isaías 41:14)

Aqui vemos que o próprio Elohim afirma que Ele seria o Redentor de Israel. O termo aqui traduzido como "Redentor" é o termo hebraico "go'el". O rabino Yehoshua Lorber assim define o termo gueulá:

"'Gueulá' (redenção) significa liberdade... Como definimos liberdade? Quando as pessoas não sabem o que devem fazer na vida, estão confusas. Elas estão escravizadas pela inclinação ao mal que os leva a fazer toda sorte de coisas ruins e serem tristes. Elas se sentem escravizadas pelas pessoas ruins que controlam o mundo. Elas não podem de fato fazerem o que desejam. Em uma redenção completa, todos saberão que o seu trabalho e o propósito da criação é servir a YHWH. Todos se sentirão felizes e servirão a YHWH com alegria."
Fomos criados para servir ao Criador; para louvá-lo e adorá-lo. Porém, ao colocarmos a nossa própria carnalidade acima dEle, tornamo-nos escravos dos propósitos mundanos.
Yeshua veio nos trazer à liberdade. E o que é a liberdade? É conhecermos o nosso verdadeiro propósito. Os propósitos carnais geram infelicidade e frustração, pois nossos desejos carnais jamais serão plenamente satisfeitos. A carne é uma eterna insatisfeita. Assim sendo, quando nos libertamos do seu jugo, então atingimos plena realização no propósito de Elohim!

"Exultai em YHWH toda a terra; exclamai e alegrai-vos de prazer, e cantai louvores." (Tehilim/Salmos 98:4)

Conclusão

Podemos perceber que a salvação não é um ticket para o céu. A salvação é uma realidade bem presente que pode ser sentida diariamente. De fato, a salvação conduz à vida eterna, mas é muito mais do que isso.

Podemos resumir o conceito da salvação em 5 pontos breves. A salvação é:

1) Ser separado da iniquidade do pecado, e liberto de seu jugo.
2) Ser livrado do juízo da ira vindoura.
3) Voltar a viver na presença de Elohim, desde agora e eternamente.
4) Conhecer o seu propósito de vida, que é alegrar-se no serviço a Elohim.
5) Não mais ser subjugado pela própria carnalidade.





Extraído do Manifesto Judaico do Caminho